blog

Analista de processos modelando processos manualmente sem utilizar ferramenta computacional

O Duelo das Notações: BPMN x EPC

Versão para impressão
Compartilhe:

Introdução

Vocês já devem ter ouvido falar nessas duas notações de modelagem de processos: BPMN e EPC, que são as mais conhecidas atualmente.  Vamos falar sobre o histórico, as trajetórias de cada uma delas e o que o mercado está usando hoje em dia.

Primeiro, vamos explicar as siglas: BPMN – Business Process Management Notation e EPC – Event Process Chain. Existem várias outras notações para modelagem de processos, mas hoje em dia essas notações são as mais utilizadas no mercado brasileiro.

Estatísticas sobre o uso de notações de Modelagem de Processos (BPM Global Trends - 2015)
Notações para Modelagem de Processos (BPM Global Trends – 2015)

O uso das notações de processos no mercado brasileiro

A notação BPMN é um padrão de mercado, uma das notações mais utilizadas no mercado brasileiro, enquanto a EPC tem um enfoque diferente, pois foi criada com foco nos especialistas de negócio, visando facilitar o entendimento dos processos por eles. A EPC é uma notação que vem perdendo espaço no mercado nacional nos últimos anos, mas ela ainda tem muitos adeptos que gostam da forma como essa notação representa os processos.

A revista BPM Global Trends apresentou dados de 2015 e 2009 a comparação destes dados nos permite perceber a evolução dessas notações: em 2009 a notação BPMN representava 44% do mercado e 2015 ela chegou a 59%. Por outro lado, a EPC teve um movimento contrário perdendo muito espaço no mercado: em 2009 ela tinha 28% de fatia de mercado e em 2015 ela encolheu para 2% apenas.

Assim, de fato, a utilização da EPC diminuiu bastante e esses dados confirmam a visão que temos na prática. Hoje podemos notar que a grande maioria das empresas está optando por trabalhar com BPMN.

A história da BPMN

Essa notação começou a surgir nos anos 2000 quando foi criada a BPMI (Business Process Management Initiative), que foi uma organização que unia várias grandes empresas do mercado de ferramentas de modelagem de processos como: Intalio, IBM, SAP e BEA. 

Naquele momento, ainda não havia um padrão de notação de processos, então cada ferramenta utilizava o seu conjunto de símbolos próprios, ou seja, cada ferramenta tinha sua forma gráfica de representar esses símbolos. Então, se os processos da sua empresa fossem modelados em uma ferramenta era muito difícil migrar para outra ferramenta porque não havia interoperabilidade. Essa dificuldade foi percebida pelas empresas fornecedoras de software de modelagem de processos porque elas tinham dificuldade em conseguir novos clientes para suas ferramentas e isso acontecia porque para migrar para uma nova ferramenta as empresas precisavam refazer todos os seus processos na ferramenta nova e os clientes não queriam ter esse retrabalho. Portanto, a BPMI se iniciou com objetivo de se estabelecer um referencial no que tange a linguagem de modelagem de processos.

A primeira versão da BPMN, chamada BPMN 1.0, foi lançada em 2004. Em 2005, a BPMI passou a manutenção da notação para a OMG (Object Management Group), que é a mesma instituição que hoje mantém a UML (Unified Modeling Language). Em 2014, foi lançada a versão da BPMN 2.0, que levou 10 anos para que fosse elaborada. Assim, entende-se que ela é uma especificação bastante sólida e que não sofre alterações frequentemente, o que facilita e uso e a interoperabilidade entre as ferramentas. Você pode encontrar a especificação completa da BPMN que está disponível gratuitamente no site OMG.

Linha do tempo da notação de modelagem de processos BPMN
Linha do tempo da notação BPMN

A BPMN utiliza um diagrama principal de fluxo de processos que é o BPD (Business Process Diagram) conforme exemplo da figura abaixo. Neste ebook nós apresentamos os elementos básicos da notação, que tem cinco categorias de elementos: objetos de fluxo, conexões, piscinas e raias, dados e artefatos.

Exemplo de fluxo utilizando a notação de modelagem de processos BPMN
Exemplo de fluxo utilizando a notação BPMN

A história do EPC

A notação EPC foi criada na década de 90 pelo professor Scheer, que também é o pai da ferramenta ARIS (Architecture of Integrated Information Systems), uma das ferramentas mais conhecidas no mercado de modelagem de processos. O ARIS foi líder de mercado do Gartner por muito tempo, e é uma ferramenta com alto custo de licença, mas que tem muitas funcionalidades como, por exemplo, o uso de um banco de dados como repositório de armazenamento dos elementos modelados dos processos. O ARIS originalmente já vinha com a notação EPC embutida e como a ferramenta tinha muita aceitação no mercado, a notação EPC também se popularizou bastante.

Entretanto, a notação foi perdendo espaço aos poucos com o surgimento da BPMN e o novo padrão de mercado que se criou. Por outro lado, no mercado nacional, o custo do ARIS começou a ficar proibitivo para algumas empresas enquanto outras ferramentas começaram a surgir no mercado como opções satisfatórias e mais baratas ou até gratuitas, como o Bizagi. Todos esses fatores contribuíram para que a ferramenta ARIS e a notação EPC sofressem essa queda de popularidade. 

Como se caracteriza o EPC?

O EPC tem duas características principais: Ele trabalha com uma composição de diagramas, ou seja, quando utilizamos o EPC não trabalhamos só com fluxo de processos, temos uma série de diagramas que ajudam a entender o negócio da organização como um todo, o que permite uma visão complementar para compreender o processo, ao contrário da BPMN que foca somente no fluxo de processo. 

O EPC também dá uma ênfase muito grande para a modelagem dos eventos, tanto aos eventos iniciais como os eventos intermediários e os eventos finais que o processo pode assumir.

A EPC adota uma linguagem que se propõe a ser mais fácil para os especialistas de negócio (que muitas vezes não são necessariamente especialistas em processos) entenderem. Ela é um pouco mais lúdica do que a BPMN, que é uma notação mais formal. Ou seja, o entendimento da BPMN por alguém que não é analista de processos tende a ser mais difícil e mais complexo se comparado a uma representação em EPC. Você pode notar essa diferença comparando os exemplos das duas notações. 

Exemplo de fluxo utilizando a notação de modelagem de processos EPC
Exemplo de fluxo utilizando a notação EPC
[GUIA COMPLETO] Modelagem de Processos de Negócio com Notação BPMN

Conclusão

Existem prós e contras nas duas notações de modelagem de processos. Nenhuma delas é uma bala de prata que funciona melhor em todas as situações. Porém, temos que reconhecer que hoje em dia o padrão de mercado de fato acaba sendo a BPMN. Na atuação da dheka nos diversos clientes observamos na prática esse crescimento, pois todo dia presenciamos empresas escolhendo essa notação para modelar os seus processos.

Referências

ABPMP. Revista ABPMP BPM Global Trends – 10a Edição. Disponível em: <https://issuu.com/bpmglobaltrends/docs/globaltrends_abpmp_10>. Acesso em: 21 out. 2019.

OMG. Business Process Model & NotationTM (BPMNTM) | Object Management Group. Disponível em: <https://www.omg.org/bpmn/index.htm>. Acesso em: 21 out. 2019.

Compartilhe:
gostei deste conteúdo
quero mais informações
X

nossas soluções

Assine nossa newsletter