Social BPM: Processos, Colaboração e Tecnologia Social

fevereiro

3

2015

3 fevereiro 2015,
 0

Social BPM: Processos de Negócio, Colaboração e Tecnologia Social


Tradicionalmente, o foco da área de Gestão de Processos de Negócio (Business Process ManagementBPM) tem sido nos processos transacionais, altamente repetitivos. Assim, muitas vezes as iniciativas de BPM se viam limitadas em ambientes que requeriam diversidade e menos previsibilidade no contexto de execução de processos (MATHIESEN et al., 2012).

Neste cenário, as ideias de BPM ágil (veja os posts sobre valores, princípios e práticas ágeis para processos e inserção de práticas ágeis no ciclo de BPM) motivaram a busca por uma abordagem de BPM mais flexível, como por exemplo as ideias de Case Management (mas vamos tratar disso em outro post futuro).

As tecnologias sociais, que vêm ganhando tanto espaço no dia-a-dia dos indivíduos e empresas, têm justamente o potencial de se encaixar nas tecnologias tradicionais de BPM e cobrir o gap da colaboração, inovação e co-participação.

Assim, a pesquisa e o mercado na área de BPM têm evoluído para propor e desenvolver produtos e métodos para o apoio à colaboração nas iniciativas de BPM. O Social BPM tem como objetivo conectar processos e pessoas e assim contribui para promover os princípios do mundo aberto: colaboração, transparência, compartilhamento e emponderamento (TAPSCOTT, 2012).

Aproximar Pessoas e Processos

Aproximar Pessoas e Processos

A tecnologia de Social BPM (FISCHER, 2011) busca integrar os sistemas de informação organizacionais, os sistemas de gerenciamento de processos de negócio (BPMSs), as tecnologias sociais (software/mídias sociais) e os ambientes organizacionais de comunicação e colaboração (Intranets, e-mail, redes sociais intraorganizacionais) de forma a ampliar a colaboração entre os executores de um processo.

Os principais fornecedores do mercado de BPM têm lançado produtos sob a alcunha de Social BPM, oferecendo principalmente as seguintes funcionalidades: a modelagem colaborativa de processos; discussões sobre o processo; feed de notícias para o compartilhamento de fatos sobre o processo; chats, wikis e blogs; integração com correio eletrônico e a integração com dispositivos móveis.

Social BPM - Participação no fluxo de processos

Social BPM – Participação no fluxo de processos

Se você está se perguntando Como incluir as ferramentas sociais no ciclo de gestão de processos, esse próximo post é para você!

 

Referências

ARAUJO, R. M. DE; MAGDALENO, A. M., 2014, Tutorial Social BPM: A dimensão social da Gestão de Processos de Negócio. Escola Regional de Sistemas de Informação (ERSI), Niterói, RJ, Brasil.

BATISTA, M. F.; MAGDALENO, A. M.; KALINOWSKI, M., 2017, “A Survey on the use of Social BPM in Practice in Brazilian OrganizationSimpósio Brasileiro de Sistemas de Informação (SBSI), pp. 436–443, Lavras, Minas Gerais, Brasil.

FISCHER, L., 2011, Social BPM: work, planning and collaboration under the impact of social technology. Lighthouse Point, Florida, Future Strategies Inc.

MATHIESEN, P.; WATSON, J.; BANDARA, W.; et al., 2012, Applying Social Technology to Business Process Lifecycle Management, In: Daniel, F., Barkaoui, K., Dustdar, S. (eds), Business Process Management Workshops, Springer Berlin Heidelberg, pp. 231–241.

TAPSCOTT, D., 2012, Four principles for the open world. TEDGlobal.

 

Andréa Magalhães Magdaleno
Andréa Magalhães

Andréa é professora do Instituto de Computação (IC) da Universidade Federal Fluminense (UFF). Atuou como pós-doutora e pesquisadora pela COPPE/UFRJ em 2014 e na UNIRIO em 2015. Concluiu seu doutorado em Engenharia de Software com foco em Processos e Colaboração pela COPPE/UFRJ em 2013 e seu mestrado em Informática pelo NCE-IM/UFRJ em 2006. Certificada como implementadora MPS-BR.

Possui experiência de participação em projetos de consultoria para diferentes empresas, como Vale, TIM, Petrobras, Shell, Arquivo Nacional e Mongeral Aegon. Atua há mais de 15 anos como Gerente e Consultora especializada nas áreas de Gestão de Processos de Negócio (BPM), Gerência de Projetos e Requisitos.

Nessas áreas, também ministra cursos de pós-graduação e extensão e possui trabalhos publicados em congressos e revistas nacionais e internacionais.